Falarão novas línguas

"E estes sinais seguirão aos que crerem... falarão novas línguas" Mc 16:17

O dom de línguas é, seguramente, o mais polêmico dos chamados dons do Espírito Santo. Pentecostais tendem a exagerar sua importância, colocando-o como evidência necessária do batismo no Espírito Santo. Além disso, é comum que na prática as orientações sobre o seu exercício de forma ordeira sejam negligenciadas. Por outro lado, os cessacionistas negam sua atualidade, relegando-o ao tempo apostólico e considerando-o simplesmente como capacidade de falar em outro idioma terreno.

Então, qual a natureza do dom de falar em línguas? Seria ele meramente a capacidade de falar um idioma terreno, como o grego nos dias apostólicos ou o inglês nos dias de hoje? Creio que o texto acima fornece algum indício que ajuda a elucidar a questão.

O texto não diz simplesmente falarão em línguas, mas falarão em novas línguas. Embora se possa dizer que as línguas são novas em relação a quem fala, isso parece pouco provável. Seria mais lógico que se dissesse que falariam línguas que não aprenderam. Novas línguas parece indicar línguas desconhecidas.

Reforça essa hipótese o texto original. Na expressão "falarão novas línguas" o grego trás γλωσσαις λαλησουσιν καιναις, onde novas é tradução de kainos. O grego usa principalmente duas palavras para novo. Uma delas é νεος, neos, usada para expressar novo no aspecto de tempo, indicando aquilo que é recente, mas da mesma natureza do antigo.

kainos também indica aquilo que é novo, não porém em referência ao tempo, mas a algo que é de um tipo diferente. O léxico grego-inglês (Louw and Nida) diz que kainos refere-se a algo "não conhecido previamente, inédito, novo". Thayer diz que kainos indica "um tipo novo, sem precedentes, inédito". O Theological Dictionary of the New Testament, diz que kainos denota "o que é novo na natureza, diferente do habitual, impressionante, melhor do que o velho, superior em valor ou atração".

Percebemos melhor essa disntição entre neos e kainos em algumas passagens do Novo Testamento. Em Mateus 9:17, onde aparece ambos os termos, este tem o sentido de "ainda não utilizado", em Atos 17:21 o sentido é de "incomum" e em Mateus 13:52; Ef 2:15; 2Jo 2:5 e Hb 8:13 "novo tipo" é o sentido dado.

Assim como um novo céu e uma nova terra em Ap 21:1 e 2Pe 3:13, a nova Jerusalém em Ap 3:12 e 21:2, a canção nova em Ap 5:9 e a nova criação em Ap 21:15 referem-se a algo de uma outra e melhor natureza, novas línguas em Mc 16:17 também não são os já existentes idiomas. O fato de que o antigo e o novo não poderem ser misturados (Mc 2:21-22) acentua o elemento distintivo entre o comum e o novo.

Portanto, as novas línguas não são a mesma coisa que idiomas terrenos que os que cressem iriam passar a falar, mas sim línguas novas no sentido que são distintas e mais elevadas em natureza.

Soli Deo Gloria

30 comentários:

  1. Olá...esse artigo chegou em boa hora, hoje cedo eu estava conversando com um amigo da batista tradicional, ele estava falando que eu tinha que ler mais a bíblia pois ai saberia que, o falar em línguas não existe mais, que foi línguas de idiomas. Eu tentei explicar I co; 12- 13-14 para ele, só que o cara é teimoso. Eu comecei a pesquisar e acabei achando um blog calvinista cessacionistas, lá tinha 7 provas que os dons cessaram, eu li e fiquei confuso com algumas coisas. Eu creio que os Dons não cessaram, porém o Falar em línguas me deixa confuso. Sábado vai ter consagração de jovens na minha igreja, lá sempre tem um momento onde os jovens que não são batizados no Espírito Santo( não são?) vão para o altar receber batismo, e eu sempre vejo umas coisas estranhas, eu sempre fico no meu banco, na minha, só falando com Deus. O mais estranho de tudo é que, os jovens ficam fora de si, orando, chorando até falarem em línguas estranhas. Eu tenho uma duvida: Qual a evidencia do ‘revestimento’ do Espírito Santo? Os pastores da minha igreja dizem que é o falar em línguas estranhas! Eu não concordo muito com isso não, a língua estranha é um Dom, nem todos tem.

    Graças a Deus achei esse artigo!

    Com muitas duvidas, (hehehe)


    Sérgio pessôa!

    ResponderExcluir
  2. Clóvis,

    Discordo de sua visão de kainós e neós. Néos é novo no tempo, mas no sentido de vir à existência algo que não existia antes:

    "The difference in meaning between kainos and neos, is, in the main, that kainos denotes new in respect of quality, "the new as set over against that which has seen service, the outworn, the effete, or marred through age"; neos, "new (in respect of time), that which has recently come into existence," e.g. kainon mnemeion, the "new tomb" in which Jesus was laid, was not one recently made, but one in which no other dead had ever lain; the "new covenant," the "new man," etc., may be contemplated under both aspects of quality and of time (Trench, Synonyms of the New Testament, 209 f)." Link: http://net.bible.org/dictionary.php?word=Man

    Acho que você supervalorizou o "kainós" aí. Nem sempre uma palavra é usada em sua, digamos, plenitude de sentido. Esse é um erro comum de hermenêutica. Uma palavra têm vários sentidos, algumas vezes todos cabem, em outros, é preciso saber qual sentido é o melhor. E, muitas vezes, é um sentido comum, como acho que é neste caso.

    Línguas melhores, em natureza...seria o quê? Línguas de anjos? Mas será que as tais "línguas de anjos" não seriam apenas um exagero de Paulo, uma figura de linguagem para reforçar o ponto dele sobre o amor em 1 Co 13?

    Fato é que o único caso prático de glossolalia na Bíblia é o de pessoas falando, sobrenaturalmente, em outros idiomas, desconhecidos de quem falava. Nada, a não ser as tais "línguas de anjos" sugerem que o dom de línguas é orar em uma língua superior às humanas.

    ResponderExcluir
  3. Olá Helder,

    Acho difícil acreditar que essas "outras línguas" a que se referiu Paulo fossem línguas celestiais. Isto porque o contexto que se extrai das passagens seguintes nos leva a entender que são idiomas terrenos, pois ele (Paulo) insta os crentes a não falarem nessas línguas quando houver "indoutos" na igreja - a menos que haja intérprete. Entenda-se indoutos commo pessoas de pouca instrução que não conheçam essas "outras línguas". Me parece que o termo no original se refira, nessas passagens, a 'glossa' e não glossolalia. Em uma única vez que parece ser glossolalia, tem sentido de glossa, no contexto.
    Ademais, no episódio de pentecostes (Atos 2:4), o texto deixa claro que eram outros idiomas humanos.

    Em Cristo.

    ResponderExcluir
  4. Clóvis,

    sem entrar no mérito da Carta de Paulo aos Corintios, mas não seria um pouco precipitado excluir os idiomas como parte do dom de línguas? Porque em Atos 2 claramente se vê que as línguas em idiomas, "línguas maternas". Mesmo que se depreenda de Corintios que outras línguas podem ser línguas desconhecidas, acho que isso não invalida o episódio de Atos.

    Um amigo meu passou por um episódio interessante. Estava em um culto quando o pastor começou a falar em línguas diferentes. Após o culto, descobriu-se que um dos visitantes da congregação era um árabe e que o pastor havia falado, sobrenaturalmente, no idioma dele. Ele havia pregado o evangelho em árabe. Sei que experiências não servem de base doutrinária alguma, mas, dentro do contexto de Atos, isso parece plausível.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Se o dom de línguas se refere apenas a línguas celestiais, o que aconteceu no pentecostes? Entendo que em outras passagens da Bíblia, esse dom é atribuido à linguas de homens, faladas por diferente povos, como vemos em atos 2, por exemplo, mas a partir de um texto, não podemos excluir o restante. Podem ser línguas celestiais? Talvez (acho muito remota essa possibilidade)mas a base bíblica para línguas terrenas é mais ampla. Porém, fico com o pensamente de Paulo:
    "Contudo, prefiro falar na igreja cinco palavras com o meu entendimento, para instruir outros, a falar dez mil palavras em outra língua." (I Cor. 14:19)

    ResponderExcluir
  6. Oi, Ricardo,

    Pois é...os dons de línguas são sim sobre idiomas humanos. Acho que o Clóvis deu uma viajada dessa vez, por superestimar, nesse caso, a diferença entre kainós e neos.

    Não sou cessacionista, mas não vejo sentido em falar que as línguas de que fala o texto sejam superiores ou de natureza diferente às humanas, como é proposto aqui.

    ResponderExcluir
  7. Amados,

    Inicio este meu (não tão) pequeno comentário com o que escreveu o apostolo Paulo aos Romanos.

    "Sigamos, pois, as coisas que servem para a paz e para a edificação de uns para com os outros." (Romanos 14:19)

    Sou, digamos, um dissidente do pentecostalismo. Acho que os argumentos teológicos foram bem explorados, vou falar de minha experiencia prática com este tipo de manifestação.

    Na maioria das ocasiões em que eram manifestos os dons de línguas, não havia interpretação. As pessoas no máximo, ficavam emocionadas. O culto se tornava meramente emotivo, muitos choravam, outros caiam, etc (onde estava o "culto racional" ao qual Paulo fez referencia em Rm 12:1?)...

    Quando havia interpretação, poucas coisas realmente relevantes eram ditas. Coisas do tipo: "Deus tá derramando bençãos...", "Deus tá derramando juízo...", etc... eram as preferidas.

    É um "cristianismo" baseado quase que em sua totalidade nas experiencias pessoais. A Palavra não era deixada "de lado", mas a concorrência pela atenção dos crentes era desleal, frente a fenômenos tão espetaculares. Eu chamo de xamanismo gospel, pois baseia-se mais em emotividade e experiencias misticas do que em uma doutrina bem definida...

    No demais, creio que os dons devem ser manifestos para o aproveitamento de todos. Fico aqui, com aquilo que Paulo escreveu a seu filho na fé, Timóteo

    "Medita estas coisas; ocupa-te nelas, para que o teu aproveitamento seja manifesto a todos." (I Timóteo 4:15)

    André Amorim

    http://twitter.com/amorimcoelho

    ResponderExcluir
  8. Bem colocado André. E mais uma coisa: é comum haver línguas e depois uma intepretação do tipo "Deus está dizendo isso e aquilo...". No entanto, as línguas, na Bíblia, até onde sei, são manifestações que fluem do homem para Deus, e não o contrário. Como, então, essas pessoas alegam ter passado uma mensagem de Deus? Acho estranho isso.

    ResponderExcluir
  9. Saulo,

    É pq, em 1 Coríntios, Paulo coloca as línguas com interpretação no mesmo nível da profecia.

    ResponderExcluir
  10. Helder,

    é verdade, mas colocar no nível não significa que são a mesma coisa. Pelo que sei, a profecia vem de Deus para o homem e as línguas, do homem para Deus.

    ResponderExcluir
  11. Você chegou num ponto importante, Saulo. Paulo, com relação a dom de línguas e profecias, dá mais valor ao segundo dom, e gostaria que todos profetizassem. No fim, o dom de língua hoje virou produto de escárnio popular. Todos "podeis falar em línguas", é o que se ouve.

    E com relação a idioma humano, em 91, quando orava com 3 amigos na enfermaria do quartel 20 BIB (pois fui enfermeiro), um deles falou num francês tão lindo que assustou até o tenente oficial de dia.

    RIPALABALA é que idioma?

    No mesmo amor de Deus,

    Elizeu

    ResponderExcluir
  12. O grande problema de se defender a continuidade dos dons revelacionais, é que esses dons ficam em pé de igualdade das Sagradas Escrituras.

    A conclusão lógica é que além da Bíblia, Deus ainda pode falar através de outros métodos, quando, na verdade, a Bíblia é a única regra infalível de fé e prática; único e exclusivo manual de conduta cristã.

    2 Timóteo 3.16: "Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra."

    Ora, se a Palavra de Deus escrita é útil para ensinar, repreender, corrigir e educar o homem e torná-lo habilitado para cumprir com a vontade de Deus e exercer boas obras, então não há razão para buscar a vontade de Deus utilizando métodos ineficazes e vazios de sentido e de propósitos!!!

    ResponderExcluir
  13. Certo, mas é a própria Bíblia que fala dos dons. E são usados para a edificação da igreja e pessoal. Devo negligenciá-los?

    ResponderExcluir
  14. Querido irmão,
    Apreciei muito sua mini-exegêse do texto. O termo em grego kainos é bastante claro, ainda que seja controverso para alguns. A grande questão para mim é que, apesar de você citar outros textos em que se utiliza o kainos, nenhum deles se refere a "novas" línguas. Sempre se refere a outras coisas. No caso do texto de Atos, inclusive, o kainos é utilizado para referenciar as boas novas (novidades - Evangelho). Tanto que Paulo, logo em seguida, passa a pregar o Evangelho no Aerópago. Será que, quando Jesus, em Marcos 16:17, falou a respeito das novas (kainos) línguas, Ele não se referia ao Evangelho, que, aliás, era uma linguagem totalmente nova para aquele povo. Além disso, como você sabe, nenhuma doutrina pode se basear em apenas um versículo. Ainda mais quando se trata de um versículo em que todos os comentaristas (inclusive os que você cita) e exegetas entendem como sendo de origem duvidosa.
    Um grande abraço. Parabéns pela coragem e pelo Blog.
    Em Cristo,

    ResponderExcluir
  15. "não há razão para buscar a vontade de Deus utilizando métodos ineficazes e vazios de sentido e de propósitos!!!"

    Heitor, o dom de línguas (independente de acharmos ou não que são apenas idiomas) não é um dom revelacional.

    E ninguém falou em buscar a vontade de Deus fora da Bíblia. Mesmo o dom de profecias se destina a outra finalidade, e não à busca de diretrizes para a tomada de decisões.

    O que acontece é que há inúmeras distorções hoje em dia. O "eu profetizo" virou um mero clichê. Você tem toda a razão de condenar as "línguas" e as "profecias" na maioria das igrejas hoje, mas não tem razão para ignorar as manifestações legítimas e bíblicas.

    ResponderExcluir
  16. Eu acredito que existem dois tipos de línguas: os idiomas da Terra, quer sejam línguas faladas hoje, ou faladas no passado, mortas; e idiomas estranhos à Terra, celestiais.

    ResponderExcluir
  17. Jair Kunzler,

    Os dons precisam ser usados na igreja visando a edificação do Corpo (1Co 12.4-7). Todos os diversos dons capacitam os membros do corpo de Cristo a ministrar uns aos outros. Se Deus nos deu um dom, esse dom precisa ser usado na igreja visando a edificação de todos, e não para uso particular e privativo, visando a própria edificação.

    Precisamos negligenciar as línguas pois hoje o que edifica a igreja é a palavra de Cristo (Hb 1.1). Hoje, Deus só tem falado por meio de Cristo, ficando pra trás as várias maneiras de Deus falar.


    Saulo R. do Amaral,

    As línguas eram um sinal da parte de Deus concernente ao cumprimento de profecias particulares com relação às operações de Deus no mundo. Era usado para preparar e entender o que Deus está pra fazer.

    Afirmo que as línguas eram um dom revelacional por que era usado para revelar um mistério que outrora era oculto (Rm 16.25,26). Cristo mesmo declarou que os mistério do reino dos céus agora podem ser conhecidas (Mt 13.11).

    O mistério era revelado na alocução daquele que falava em línguas. por meio deste dom, um mistério era revelado ao povo de Deus.

    O cristianismo não é uma religião de mistérios. O cristianismo manifesta publicamente a verdade de Deus no mundo.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  18. Marcos 16:15 pra frente ali, fala algumas coisas que são importantes, e os sinais seguiriam os que crerem.
    Eu creio em Jesus, Ele me salvou, me regenerou e continua a me regenerar. Eu oro em línguas, mas só quando estou sozinho(e tem sido edificante).
    Já orei por alguns parentes, pessoas, etc e Jesus operou a cura, pedi que Jesus as curasse e Ele as curou.
    Eu creio nisso, e isso tem um propósito, glorificar a Deus.
    Paulo e os apóstolos sempre foram não em sabedoria de palavras somente, mas no poder de Deus e isso não muda pra hoje não.
    Pq Cristo veio pra libertar os cativos (endemoninhados), dar vista aos cegos (enfermos), pregar aos quebrantados de coração.
    É uma ordem de Jesus Cristo IDEEEE, vamos, vamos pregar o evangelho firmado na palavra e não isso que temos visto, igrejas estão mortas pelo conhecimento, não evangelizam, só querem se encher de conhecimento e sabedoria, sabe o que Deus diz pra nós quanto a isso: Isso é lixo, e seus corações estão longe de mim. Conhecem minha lei, mas não a vive. Outros do meio pentecostal não estão firmados na palavra como deveriam, e acabam entrando em heresia e envergonhando a Cristo.
    Vamos orar, vamos ler palavra. Vamos nos focar em Jesus Cristo, chega de homens, olhe pra Cristo, é isso que você vai fazer pela eternidade, contemplar Sua Majestade(se isso é chato pra você, 1º Você conhece a Cristo só no conceito, não vive 2º O céu não e seu lugar "aproveite" a vida, acaba com ela mesmo ou 3º Se arrependa, é isso que Cristo e os apóstolos gritavam, se arrependam, e Cristo conforme Seu querer brilhará em vossos corações)
    Meditemos em 1 Coríntios 1 inteiro e oremos. Pra que possamos ter o mesmo parecer e estar em Jesus Cristo, não calvino, não sei quem, etc.
    Aquele se glória, glorie-se no Senhor.
    A Ele toda honra e glória.
    Chega de homens, chega.
    Lucas de Lima.

    ResponderExcluir
  19. Helder,

    "Discordo de sua visão de kainós e neós".

    Ok, vamos analisar suas ponderações.

    "Néos é novo no tempo, mas no sentido de vir à existência algo que não existia antes".

    Parece que o sentido mais geral de neos é de recente. Por exemplo, vinho novo em Mc 2:22 refere-se a vinho não completamente fermentado, neáopolis significa cidade nova, ou que existe a pouco tempo. Com relação a pessoas, neos denota principalmente uma pessoa jovem como em Mc 10:20, Lc 15:3, 1Tm 5:11, Jo 21:18, etc. Na linguagem proverbial também é assim. Pois em Mc 2:21 tecido novo é contrastado com vestido velho e em Lc 5:39 vinho novo é comparado com vinho velho, em ambos casos as características comparadas é a idade.

    Porém, deve ser dito que o uso de neos em relação ao tempo não é uma exclusividade, mas uma ênfase.

    Você cita Trench, que traduzo toscamente:

    "A diferença de sentido entre kainos e neos é, principalmente, que kainos denota novo no que diz respeito à qualidade, "o novo colocado contra aquele que tem estado em serviço, o desgastado ou prejudicado pela idade"; neos, "novo (no que diz respeito ao tempo), o qual tem sido recentemente trazido à existência", por exemplo, kainon mnemion, a "tumba nova" na qual Jesus foi colocado, não foi recentemente feita, mas uma na qual nenhum outro defundo foi colocado, o "novo pacto", o "novo homem", etc., pode ser contemplado sob ambos os aspectos de qualidade e de tempo".

    Posso estar fazendo uma leitura tendenciosa, mas me parece que Trench corrobora o que Low and Nida, Thayer e TDNT diferenciaram e que apoiam minha afirmação de que kainos refere-se primariamente a novo no sentido de qualidade e natureza e que neos tem sua tônica no tempo.

    "Acho que você supervalorizou o "kainós" aí. Nem sempre uma palavra é usada em sua, digamos, plenitude de sentido. Esse é um erro comum de hermenêutica. Uma palavra têm vários sentidos, algumas vezes todos cabem, em outros, é preciso saber qual sentido é o melhor."

    Então, no caso, eu considero que o melhor sentido é o de novo no sentido de qualidade, de uma natureza nova. Além dos autores já citado, podemos acrescentar Barklay, que diz que kainos tem o sentido de "de nova qualidade, não utilizado, desconhecido, inédito", Tuggy que define como "recém feito, não estrado, desconhecido, estranho", Strong que compara kainos e neos afirmando "kainos denota novo primeiramente em reação à qualidade" e "neos denota novo primeiramente em relação ao tempo", etc.

    "Línguas melhores, em natureza...seria o quê? Línguas de anjos? Mas será que as tais "línguas de anjos" não seriam apenas um exagero de Paulo, uma figura de linguagem para reforçar o ponto dele sobre o amor em 1 Co 13?"

    Concordo que línguas dos anjos é linguagem figurada do apóstolo. Mas línguas seriam melhores em natureza por serem espirituais, como sempre é feito o contraste entre natural e espiritual em Paulo. Veja um exemplo onde "novo" denota algo melhor: Hb 8:13.

    "Fato é que o único caso prático de glossolalia na Bíblia é o de pessoas falando, sobrenaturalmente, em outros idiomas, desconhecidos de quem falava. Nada, a não ser as tais "línguas de anjos" sugerem que o dom de línguas é orar em uma língua superior às humanas."

    Será? Pretendo analisar essa questão num artigo futuro.

    Em Cristo,

    Clóvis

    ResponderExcluir
  20. sabe de uma coisa eu nao qro e nem saber de kainos ou algo parecido. e o mais importante num lugar de estar se preocupando em falar linguas ou nao esta cheio de almas pra nois irmos buscar por q foi derramado sangue por elas ...
    deixem de besta vai fazer a obra de deus ..

    iran

    ResponderExcluir
  21. É isso aí! o Velho Clóvis sempre respondendo com maestria aos que discordam dele!
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  22. Vejam este artigo pois é bastante esclarecedor sobre este assunto: http://www.blogdoclaudio.co.cc/

    A explicação das tuas palavras ílumina e dá discernimento
    Aos inexperientes. (NVI). Salmos 119.130

    ResponderExcluir
  23. Primeiramente há de ser esclarecido que Jesus estava reunido com os onze, que eram judeus. Logo, novas linguas, eram idiomas que eles não conheciam, ou seja, eram novas que já exitiam que eles não conheciam.
    Em segundo e mais esclarecedor é que tanto Pedro quanto Paulo baseou seus ensino ou esclarecimento sobre o dom de linguas nas escrituras então conhecida (e a Escritura não pode falhar João 10:35)
    A Palavra de Deus apresenta um principio acerca do verdadeiro dom de línguas, que está sendo deturpado para afastar os servos de Deus da Verdade. E, este Princípio está fundamentado na Palavra de Deus através do Profeta Isaías e Profeta Joel, inaugurado e ratificado em Atos 2,: “ Pelo que por lábios estrangeiros e por línguas estranhas Deus falará a este povo” (Isaias 28:11 a 14). “ E depois derramarei o meu Espírito sobre toda carne, e os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões. Até sobre os servos e sobre as servas naqueles dias derramarei o meu Espírito” (Joel 2: 28,29 ). E, confirmada por Deus através do Apostolo Pedro e Apostolo Paulo, vejamos o que Pedro disse: “... Mas isto é o que foi dito pelo Profeta Joel: Nos últimos dias, diz Deus, do meu Espírito derramarei...(Atos 2: 14 a 18 ), vejamos agora Paulo confirmando Isaias: “ Irmãos, não sejais meninos no entendimento...Está escrito na Lei: Por gente doutras Línguas, e por outros lábios falarei com este povo, mas ainda assim não me ouvirão, diz o Senhor” (I Coríntios 14:20,21 ). Vejamos o Princípio na sua essência: 1- O Dom é dado por Deus o Espírito Santo. 2- Consiste em falar línguas “maternas”, ou seja, línguas de nações: “ Como ouvimos falar em nossa própria língua materna? (Atos 2: 6,8,11) 3- Cujo único objetivo é a pregação do evangelho para pessoas de outra nacionalidade, ou seja, para pessoas que não falam o idioma do pregador, ou como no Pentecostes onde começou a se cumprir a Profecia de Joel e se cumpriu a de Isaias que diz: ...Por lábios estrangeiros e por outra línguas Deus falará a este povo.” Que povo? Primei ro o povo de Israel, vejamos: “ Então, se levantou Pedro, com os onze, e, erguendo a voz, advertiu-os nestes termos: varões ‘judeus e todos os habitantes de Jerusalém’, tomai conhecimento disto e atentai nas minhas palavras”(Atos 2:14).
    Obs. colei de outro lugar

    ResponderExcluir
  24. QUER TIRAR TODAS A DUVIDAS DESTE TEXTO POLEMICO???VAI BUSCAR INTIMIDADE COM DEUS,AI VC SABERA SE REALMENTE O QUE PAULO ESTAVA DIZENDO SERIA LINGUAS TERRENAS OU CELESTIAL...AFINAL LINGUAS TERRENAS NAO E DOM..AFINAL QUE IDIOMAS FALAREMOS NO CEU? BUSQUEM MAIS INTIMIDADE COM DEUS QUE A RESPOSTA VIRA...E VAMOS GANHAR ALMAS...O TEMPO DO FIM ESTA AI...ABRACO A TODOS

    ResponderExcluir
  25. Apesar de não ser calvinista, gostaria de dar os parabéns a você, Clóvis. Os estudos como um todo são muito bem elucubrados. Acompanharei as publicações sempre que possível. Shalom Aleikhem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Soli Deo Gloria.

      Fique à vontade para ler e comentar, concordando ou não.

      Em Cristo,

      Excluir
  26. Olá bom texto
    Queria apena chamar atenção para o contexto em que Paulo ensian sobre
    o don de linguas e sobre o que ele diz a respeito do don.

    Ele diz; 1 Corintios 14;2

    O que fala em lingua estranha não fala a homens... ( e tão não pode nunca ser uma linguagem terrena. ele termina dizendo que :.. ninguem o entende... Concluise que o unico que o entende e Deus.

    Ele diz que o tal edifica-se a se mesmo ( e tão não vejo porque proiber que alguem fale em linguas, pois esta sendo edificado.


    verso 5 ele diz que gostaria que todos faleis em lingua, não consigo ver o apostolo desejando mal para os irmãos.

    verso 14 , porque se eu orar em lingua, o Meu (ESPIRITO) ORA,

    verso 15...Orarei com o espirito...cantarei com o espirito ( não famos nos esquecer que esta ensinando no contexto a respeito do don de lingua , então aqui ele continua se referindo ao mesmo...

    17 porque realmente tu dás bem as graças....( orando em lingua )
    18 Dou graças a Deus , que falo em linguas mais do que vós todos
    e o apostolo que esta dizendo.

    19.. todavia na igreja... Ele deixa claro aqui que na igreja ( congregação)preferiria falar com o entendimento, mas percebe-se que
    em outro lugar concerteza ex:( em casa )falar em liguas..

    28 mas se não ouver interprete fique calado na congregação, e fale consigo mesmo e com Deus( ou seja ele pode falar mas desde que seja quase em silêncio para não atrapalhar a ordem do culto

    39 Procurai com zelo prfetizar, e não proibais o falar em linguas..

    NÃO PROIBAIS....

    ResponderExcluir
  27. Graça e paz amados,
    Todo o conhecimento do homem se estrutura em 3 pilares: Ciência que se comprova através da experiência, Filosofia que é conhecida pelas idéias e razões que numa experiência também pode virar ciência, e Teologia que é fundamentada através da fé. A Bíblia não foi feita para ser compreendida por sábios e entendidos, mas para ser vivida através da medida da fé que cada um recebeu do Senhor Jesus. Sei que é muito importante estudar a Palavra para não cair em heresias, mas o Reino de Deus não se compreende com nossa filosofia e muito menos com a ciência. É somente através da Fé. Daqui a pouco as pessoas vão querer saber que elemento continha no cuspe de Jesus quando curou o cego não vivenciando o milagre sobrenatural de Deus. Cada um recebeu uma porção de fé, cresçamos Naquele que é o Cabeça, Cristo. Não deixem que ninguém vos julguem se o dom de línguas é terreno ou celestial, seja edificado por Deus em todo Tempo (Jd versículo 20). Abs

    ResponderExcluir
  28. Os significados de ''neos '' e ''kainos'' estam equivocadamente invertidos.No uso secular, kainós denota aquilo que é novo quanto à qualidade, em comparação com aquilo que existia até agora, aquilo que é melhor do que o antigo, enquanto neós se emprega temporalmente para aquilo que não existia antes, e que acaba de aparecer."(DITNT, p.1402)
    kainos - renovado, melhor que o antigo (nao diferente) Segundo Mounce(2012)
    neos- recem nascido , fresco ,segundo esse mesmo lexico!
    A paz de Cristo!

    ResponderExcluir
  29. Vamos elucidar isso, Marcos diz q vamos falar NOVAS LÍNGUAS, ou seja se vamos falar novas línguas n pode ser as línguas dos anjos até pq os anjos existem desde o principio da criação. Então os anjos n falam novas línguas eles falam línguas antigas e em Marcos diz q falaremos novas línguas e n línguas antigas. Logo essas novas línguas são de exclusividade dos nós seres humanos, nem os anjos entendem o que falamos somente a trindade...

    Obrigado e DEUS abençoe a todos!

    ResponderExcluir

"Se amássemos mais a glória de Deus, se nos importássemos mais com o bem eterno das almas dos homens, não nos recusaríamos a nos engajar em uma controvérsia necessária, quando a verdade do evangelho estivesse em jogo. A ordenança apostólica é clara. Devemos “manter a verdade em amor", não sendo nem desleais no nosso amor, nem sem amor na nossa verdade, mas mantendo os dois em equilíbrio (...) A atividade apropriada aos cristãos professos que discordam uns dos outros não é a de ignorar, nem de esconder, nem mesmo minimizar suas diferenças, mas discuti-las." John Stott

Sua leitura deste post muito me honrou. Fique à vontade para expressar suas críticas, sugestões, complemetos ou correções. A única exigência é que seja mantido o clima de respeito e cordialidade que caracteriza este blog.